• 230X230 CentroAletti 0006230X230 CentroAletti 0011230X230 CentroAletti 0018
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0001230X230 CentroAletti 0004230X230 CentroAletti 0005
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0019230X230 CentroAletti 0020230X230 CentroAletti 0021
    © Centro Aletti
UM DEUS QUE VEM AO NOSSO ENCONTRO NA VIDA DO DIA-A-DIA, E NOS ENCHE DE GRAÇA 

Ir. Marina Santos, aci

Ao sexto mês, o Anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia chamada Nazaré, a uma Virgem desposada com um homem chamado José, que era descendente de David. O nome da Virgem era Maria. Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: «Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo».
[Lc 1, 26-28]

Deus foi ao encontro de Maria naquele tempo, naquele lugar, naquela circunstância.

Procurou Maria e encontrou-Se com ela, num momento concreto da sua vida, numas circunstâncias que talvez não fossem as ideais, numa cidade da Galileia da qual “não se esperava nada de bom” (Jo 1, 45-46) … mas que era onde Maria estava.

Às vezes olhamos para a Anunciação como um acontecimento absolutamente extraordinário… e de facto é O acontecimento que marca uma viragem na história da Humanidade. Mas é um acontecimento extraordinário que acontece no mais comum dos dias de uma pessoa simples e em circunstâncias banais… as quotidianas. Maria estaria em casa, a trabalhar, a coser, a fazer pão, a rezar… não se sabe. O texto diz-nos que o Anjo entrou “onde ela estava”. Deus não a convocou para uma audiência, num lugar adequado para um momento destes. Foi ter com ela, onde ela estava!

Aliás, se olharmos para as visitas de Deus às outras personagens dos Evangelhos da Infância de Jesus, todos foram visitados na sua vida do dia-a-dia: Zacarias, o pai de João Batista, estava no templo, porque era sacerdote; os pastores estavam a pernoitar nos campos, como sempre; os magos estariam a observar as estrelas quando perceberam que algo de diferente se estava a passar…

É assim que Deus vem ao nosso encontro no concreto da nossa vida. Faz as Suas visitas, entrando na nossa vida, muitas vezes de forma discreta.

• Saboreio, na minha oração, a Presença de Deus na vida do dia-a-dia, no que estou a viver. Reconheço e saboreio os encontros, as “Anunciações”, que se dão na vida quotidiana. Peço a Graça da atenção delicada, para perceber esta Presença, para a compreender.

• Através de que “anjos” discretos e desafiantes Deus me tem falado? que pessoas, que acontecimentos, orações, textos, conversas?

• O Anjo diz a Maria que ela está cheia da Graça de Deus, que o Senhor está com ela. Peço também a Graça de ter consciência de que Ele está comigo, sempre. Agora. Tenho consciência de estar cheio/a de Graça?

Saboreio esta verdade … simplesmente: o Senhor diz-me “Alegra-te, ó cheia/o de Graça! Agraciada/o … escolhida/o por Deus. Cheia/o de Deus!


 pdf