• 230X230 CentroAletti 0019230X230 CentroAletti 0020230X230 CentroAletti 0021
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0006230X230 CentroAletti 0011230X230 CentroAletti 0018
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0001230X230 CentroAletti 0004230X230 CentroAletti 0005
    © Centro Aletti
OS MISTÉRIOS DA VIDA DE JESUS NAS ESCOLAS DE ESPIRITUALIDADE  (5/5) 

MELO, Luís Rocha e, Os mistérios da vida de Jesus nas escolas de espiritualidade
in «Communio», Ano XIX, 2002, n.º 2, 122-137

Conclusão

Sem ser seguida passo a passo, a pedagogia inaciana nas contemplações da vida de Cristo teve influência importante nas escolas de espiritualidade posteriores, até aos dias de hoje. Para além dela, era necessário que a revelação de Deus – o mistério de Cristo em quem estão escondidos todos os tesoiros da sabedoria e da ciência – se fizesse no espaço e no tempo, ao longo séculos, já que não é possível ao ser humano condicionado abarcá-la na totalidade e, muito menos, toda de uma vez. O mistério de Cristo revela-se, então, na história de Jesus de Nazaré, desde a sua encarnação e nascimento até à sua morte e glorificação junto do Pai, de forma parcelada em cada um dos seus passos e da sua mensagem. Cada momento dessa vida contém, por sua vez, a totalidade do mistério que a inteligência humana também não pode abarcar. Mas é-lhe mais acessível cada um dos episódios que importa depois relacionar com todos os outros, para assim aceder, à luz do Espírito Santo, à globalidade do mistério de Deus e da vida. Entender e assimilar o conteúdo salvífico de cada um, é caminho acertado para se entrar no mundo de Deus (o reino dos céus) e se contribuir para a salvação da humanidade, segundo os desejos do Pai revelados por Jesus Cristo.

Assim sendo, seria de estranhar, antes ou depois do séc. XVI, se as escolas de espiritualidade cristã enveredassem por outro caminho que não o da meditação e contemplação dos mistérios da vida de Cristo, para que o crente os assimile e seja "outro Cristo", segundo as culturas e mentalidades de cada época. Caso contrário, seriam as ditas escolas merecedoras do reparo de Jesus a Filipe: "Estou há tanto tempo convosco e não me conheces? Quem me vê, vê o Pai." (Jo 14,9)

 pdf