• 230X230 CentroAletti 0006230X230 CentroAletti 0011230X230 CentroAletti 0018
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0001230X230 CentroAletti 0004230X230 CentroAletti 0005
    © Centro Aletti
  • 230X230 CentroAletti 0019230X230 CentroAletti 0020230X230 CentroAletti 0021
    © Centro Aletti
O ACONTECIMENTO JESUS CRISTO (1/6) 

LOURENÇO, João, O Acontecimento Jesus Cristo
in «Communio», Ano XIX, 2002, n.º 2, 107-121

Diferentes sentidos e géneros literários da Escritura

Todos sabemos, com maior ou menor grau de conhecimento, como ao longo dos séculos XVIII e XIX e, ainda em parte, do XX, o dilema entre o "Jesus da História" e o "Cristo da Fé" se tornou tema constante das dis¬cussões teológicas e objeto permanente das abordagens científicas acerca do "evento Cristo". Esta discussão teve sempre como pano de fundo o valor e o significado atribuídos aos escritos neotestamentários bem como a outras fontes documentais do tempo que, apesar de escassas, existem e vêm sendo interpretadas ao longo dos tempos em perspetivas, por vezes, muito diferentes ou mesmo antagónicas.

Hoje, como no passado, continuamos a debater-nos com a pergunta "Que podemos saber acerca de Jesus?". Trata-se de uma questão que percorre toda a história do cristianismo e toda a caminhada de fé feita por gerações e gerações de crentes, sem deixar de ser atual e diferente o âmbito desse questionamento em cada etapa e em cada contexto da comunidade cristã nas suas múltiplas expressões eclesiais. Não podemos negar que cada época da História, com a especificidade dos problemas sociais e epistemológicos que lhe são próprios; que cada cultura onde a própria fé cristã foi anunciada e vivida; que cada corrente de pensamento e de hermenêutica da história enquanto tal não coloquem novas questões e determinem novos contornos acerca do evento Cristo. Este questionamento remonta às origens da fé cristã e ele mesmo condiciona e é condicionado pelos textos fundadores ou canónicos do Novo Testamento. Aliás, uma parte significativa da cristologia plural que forma e informa os textos neotestamentários tem aqui a sua razão de ser, ao mesmo tempo que pretende dar uma resposta à hermenêutica de um significado sobre a vida de Jesus nas suas diversas leituras de fé e não só. Não devemos estranhar que uma abordagem deste tipo se coloque nos dias de hoje, uma vez que ela está já nas origens e nas proximidades do próprio acontecimento, e é nesse acontecimento que esta pluralidade cristológica colhe a sua razão de ser e sedimenta a sua significação.