• 230x230 CNE 0045230x230 CNE 0049230x230 CNE 0016
    © CNE
  • 230x230 CNE 0017230x230 CNE 0140230x230 CNE 0145
    © CNE
  • 230x230 PGS 1267230x230 PGS 0957230x230 PGS 0460
    © Pedro Grandão
  • 230x230 FC 0068230x230 FC 0076230x230 FC 0064
    © Filipe Condado
  • 230x230 FC 0080230x230 FC 0081230x230 FC 0079
    © Filipe Condado
  • 230x230 PGS 0126230x230 PGS 0771230x230 PGS 0056
    © Pedro Grandão
  • 230x230 FC 0066230x230 FC 0002230x230 FC 0007
    © Filipe Condado
  • 230x230 PGS 1265230x230 PGS 0815230x230 PGS 1266
    © Pedro Grandão
  • 230x230 FC 0031230x230 FC 0082230x230 FC 0078
    © Filipe Condado
  • 230x230 FC 0009230x230 FC 0073230x230 FC 0061
    © Filipe Condado
CARTA ENCÍCLICA EVANGELIUM VITAE DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II

Introdução

1. O Evangelho da vida está no centro da mensagem de Jesus. Amorosamente acolhido cada dia pela Igreja, há de ser fiel e corajosamente anunciado como boa nova aos homens de todos os tempos e culturas.

Na aurora da salvação, é proclamado como feliz notícia o nascimento de um menino: “Anuncio-vos uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor” (Lc 2, 10-11). O motivo imediato que faz irradiar esta “grande alegria” é, sem dúvida, o nascimento do Salvador; mas, no Natal, manifesta-se também o sentido pleno de todo o nascimento humano, pelo que a alegria messiânica se revela fundamento e plenitude da alegria por cada criança que nasce (cf. Jo 16, 21).

Ao apresentar o núcleo central da sua missão redentora, Jesus diz: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10, 10). Ele fala daquela vida “nova” e “eterna” que consiste na comunhão com o Pai, à qual todo o homem é gratuitamente chamado no Filho, por obra do Espírito Santificador. Mas é precisamente em tal “vida” que todos os aspetos e momentos da vida do homem adquirem pleno significado.

O valor incomparável da pessoa humana

2. O homem é chamado a uma plenitude de vida que se estende muito para além das dimensões da sua existência terrena, porque consiste na participação da própria vida de Deus.

A sublimidade desta vocação sobrenatural revela a grandeza e o valor precioso da vida humana, inclusive já na sua fase temporal. Com efeito, a vida temporal é condição basilar, momento inicial e parte integrante do processo global e unitário da existência humana: um processo que, para além de toda a expectativa e merecimento, fica iluminado pela promessa e renovado pelo dom da vida divina, que alcançará a sua plena realização na eternidade (cf. 1 Jo 3, 1-2). Ao mesmo tempo, porém, o próprio chamamento sobrenatural sublinha a relatividade da vida terrena do homem e da mulher. Na verdade, esta vida não é realidade “última”, mas “penúltima”; trata-se, em todo o caso, de uma realidade sagrada que nos é confiada para a guardarmos com sentido de responsabilidade e levarmos à perfeição no amor pelo dom de nós mesmos a Deus e aos irmãos.

A Igreja sabe que este Evangelho da vida, recebido do seu Senhor, 1 encontra um eco profundo e persuasivo no coração de cada pessoa, crente e até não crente, porque se ele supera infinitamente as suas aspirações, também lhes corresponde de maneira admirável. Mesmo por entre dificuldades e incertezas, todo o homem sinceramente aberto à verdade e ao bem pode, pela luz da razão e com o secreto influxo da graça, chegar a reconhecer, na lei natural inscrita no coração (cf. Rm 2, 14-15), o valor sagrado da vida humana desde o seu início até ao seu termo, e afirmar o direito que todo o ser humano tem de ver plenamente respeitado este seu bem primário. Sobre o reconhecimento de tal direito é que se funda a convivência humana e a própria comunidade política.

De modo particular, devem defender e promover este direito os crentes em Cristo, conscientes daquela verdade maravilhosa, recordada pelo Concílio Vaticano II: “Pela sua encarnação, Ele, o Filho de Deus, uniu-Se de certo modo a cada homem”. 2 De facto, neste acontecimento da salvação, revela-se à humanidade não só o amor infinito de Deus que “amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho único” (Jo 3, 16), mas também o valor incomparável de cada pessoa humana.

A Igreja, perscrutando assiduamente o mistério da Redenção, descobre com assombro incessante 3 este valor, e sente-se chamada a anunciar aos homens de todos os tempos este “evangelho”, fonte de esperança invencível e de alegria verdadeira para cada época da história. O Evangelho do amor de Deus pelo homem, o Evangelho da dignidade da pessoa e o Evangelho da vida são um único e indivisível Evangelho.

É por este motivo que o homem, o homem vivo, constitui o primeiro e fundamental caminho da Igreja. 4

(…) “A cada um, pedirei contas do seu irmão” (cf. Gn 9, 5): veneração e amor pela vida dos outros

39. A vida do homem provém de Deus, é dom seu, é imagem e figura d'Ele, participação do seu sopro vital. Desta vida, portanto, Deus é o único senhor: o homem não pode dispor dela. Deus mesmo o confirma a Noé, depois do dilúvio: “Ao homem, pedirei contas da vida do homem, seu irmão” (Gn 9, 5). E o texto bíblico preocupa-se em sublinhar como a sacralidade da vida tem o seu fundamento em Deus e na sua ação criadora: “Porque Deus fez o homem à sua imagem” (Gn 9, 6).

Portanto, a vida e a morte do homem estão nas mãos de Deus, em seu poder: “Deus tem nas suas mãos a alma de todo o ser vivente, e o sopro de vida de todos os homens” — exclama Job (12, 10). “O Senhor é que dá a morte e a vida, leva à habitação dos mortos e retira de lá” (1 Sam 2, 6). Apenas Ele pode afirmar: “Só Eu é que dou a vida e dou a morte” (Dt 32, 39).

Mas Deus não exerce esse poder como arbítrio ameaçador, mas, sim, como cuidado e solicitude amorosa pelas suas criaturas. Se é verdade que a vida do homem está nas mãos de Deus, não o é menos que estas são mãos amorosas como as de uma mãe que acolhe, nutre e toma conta do seu filho: “Fico sossegado e tranquilo como criança deitada nos braços de sua mãe, como um menino deitado é a minha alma” (Sal 131 130, 2; cf. Is 49, 15; 66, 12-13; Os 11, 4). Assim nas vicissitudes dos povos e na sorte dos indivíduos, Israel não vê o fruto de pura casualidade ou de um destino cego, mas o resultado de um desígnio de amor, pelo qual Deus resguarda todas as potencialidades da vida e se contrapõe às forças de morte que nascem do pecado: “Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não Lhe dá nenhuma alegria. Porquanto Ele criou tudo para a existência” (Sab 1, 13-14).
div>